DAMEN Magazine #5

O principal navio da Tideway é submetido à primeira revisão de cinco anos na Damen Shiprepair Amsterdam

Published in category: Publications in Portuguese

Bas_Peeters_Vessel_Manager_TidewayBas Peeters
Gerente de Embarcações
Tideway

Um forte relacionamento de muitos anos levou a Tideway a tomar a decisão de deixar seu principal navio nas mãos da Damen Shiprepair Amsterdam, quando chegou a época da primeira revisão de cinco anos.

Com sede em Breda, na Holanda, a Tideway é especializada em balsas basculantes de precisão, construção em zonas costeiras, proteção contra decapagem e pós-dragagem em apoio a operações de lançamento de tubulações. A empresa faz parte do grupo belga de dragagem, engenharia ambiental e marítima, DEME.

Embora a Damen trabalhe regularmente com embarcações da DEME, cada projeto é avaliado separadamente. Bas Peeters, Gerente de Embarcações da Tideway, disse que o Grupo recebeu diversas ofertas de estaleiros concorrentes para o projeto Flintstone. Ele comenta: “Escolhemos a Damen, e mais especificamente Amsterdam, por diversos motivos. É claro que os preços são importantes e este foi um fator de peso, mas também consideramos nosso relacionamento de longa data com a Damen, como Grupo DEME, e temos a confiança de que a obra será bem executada e concluída.”

Em Amsterdam temos ainda tecnologia extensiva de reparação de navios disponível, ótimos engenheiros mecânicos, etc” – acrescentou. “O pessoal da Damen Shiprepair Amsterdam está acostumado a trabalhar com tornos de grande porte, o que não ocorre em todos os estaleiros do mundo.”

Prestatividade e flexibilidade

“Eles têm a competência e a equipe de gestão de projetos foi muito prestativa e flexível, novos desafios foram solucionados rapidamente, com todos trabalhando em conjunto, como uma equipe.”

“Outro fator importante foi a localização, que facilitou a organização da logística e do apoio de outras subcontratadas, como a Huisman e a Seatools, entre outras” – acrescentou.

Uma tarefa particularmente complexa foi a reforma das postas dos compartimentos de carga para impedir vazamentos. As portas foram rebaixadas e fixas ao piso do convés seco para passarem por manutenção extensiva, incluindo a substituição dos rolamentos principais. “Esse trabalho envolveu um grande volume de usinagem e torneamento, com datas-limite muito rigorosas, pois sabíamos que outro navio estava a caminho.”

As peças tinham quase um metro de diâmetro e 2 metros de comprimento. “Esses eixos achatados eram muito grandes e precisavam ser reusinados. São pesados para se manusear e tudo isto requer muito tempo.”

Isto também significa que a Damen Shiprepair Amsterdam precisava adquirir materiais especiais ou fabricá-los, inclusive eixos e buchas.

Fabricação local

Outro trabalho importante foi com os guinchos das âncoras, que estavam enferrujados por dentro e precisavam de recondicionamento – disse ele. “Fizemos isto em velocidade recorde. A presença da nossa empresa-irmão Niron Steel no canteiro foi muito útil” – afirmou Bas. “Foi de fato uma ótima cooperação.”

Outras atividades abrangeram o recondicionamento de todos os propulsores de proa e diversas outras tarefas relativas à tubulação de água, tubos de descarga, transporte e armazenamento dos veículos ROV e outros equipamentos.

Enquanto isto, em Amsterdam, o guindaste e a torre da Huisman foram recondicionados pelo fabricante. O estaleiro prestou suporte completo, incluindo a usinagem e o fornecimento de diversos componentes, além de fornecer uma base para as horas extras necessárias para concluir o projeto.

Após o trabalho, o guindaste e a torre do Flintstone precisavam ser atracados novamente e os testes de carregamento foram executados também em Amsterdam. “Havíamos projetado pesos especiais, pois não tínhamos o gancho tradicional e precisávamos de apoio para mergulhar e engatar a carga de teste que estava imersa, a partir da doca seca, a fim de executar o teste de carregamento.”

Além disso, a lança e a haste da escavadeira Liebherr precisava ser desmontada, pois havia um ligeiro excesso de folga entre a lança e os pinos. “Aqui, a Damen prestou suporte e realizou a soldagem.”

Conhecer bem o estaleiro foi fundamental – realçou Bas. “Tudo foi feito nele. Naturalmente, nosso intuito era deixar o canteiro assim que nosso navio pudesse gerar receita. A Damen sempre procurou encontra uma solução em conjunto conosco. Era nossa meta comum deixar o navio pronto o mais rápido possível. E tudo funcionou muito bem. O Flintstone foi imediatamente mobilizado em um projeto!”

back to top